sábado, 6 de junho de 2009

VIVEMOS NO PAÍS DA CEGUEIRA...

Existe um assunto que incomoda demais as mulheres brasileiras que tem consciência de seu papel ou melhor o seu lugar na sociedade. Esta mesma sociedade que evoluiu; as mulheres cada vez mais estão ocupando as vagas nas Universidades e cada vez mais tem mais escolaridade que os homens. Agora a mídia escrita e falada continua na idade do obscurantismo em relação as mulheres. Em minhas leituras de jornais deparo com um escritor,cronista de um jornal de grande circulação que faz comentários elogiosos a uma personagem de uma novela (que não assisto mas procurei informar-me), embora não fosse necessário, pois esse senhor em sua crônica encarregou -se de descrever ou melhor fez a propaganda da novela. Vamos a personagem: uma mulher casada e com eroticidade oferecida e festiva-como a "brasileira típica". Será? Quem for brasileira que se manifeste. O cronista continua em sua crônica com suas bobagens: Confluindo com isso diversas mulheres protestaram e, se indignaram com um certo cronista do Rio que propôs que a bunda seja eleita "mantra nacional". Entre muitos protestos indignados as mulheres contam suas experiências no exterior, algumas muito constrangedoras, humilhantes e que nos de fato envergonha. Só podemos dizer que com uma mídia, escrita, falada e com novelas com personagens de mulheres nada edificantes, que faz propaganda da imagem da mulher brasileira, como as melhores bundas do mundo, mulatas (como o Brasil não fosse multiracial) e mais que exportamos prostitutas. Esse infeliz cronista ainda compara as mulheres alemãs que aos 50 ou 60 anos enfatizam essa fase como de uma riqueza de conhecimentos e as brasileiras já são insatisfeitas pois o corpo está em decadência e não são mais paqueradas. Convenhamos onde vive esse Senhor filosofo escritor e cronista? E o festival de besteiras continua: Será que o Brasil é um país onde a bunda abunda? Deveriam criar uma cadeira de sociologia da bunda? Até que ponto as mulheres introjetam o discurso erótico masculino e seus estereótipos? A mulata "quente"como as brasileiras brancas e loiras fossem gringas frias? No final o escritor e cronista diz que pensou em abrir um blog: NEM TODA BRASILEIRA É PUTA. Mas desistiu apesar de ter curiosidade sobre a reação da galera. TENHO UMA SUGESTÃO: ELE DEVERIA ENCARREGAR ALGUMA MULHER DA FAMÍLIA DELE PARA ABRIR ESSE BLOG.

OBS: ESTE SENHOR CRONISTA TEM ALGUÉM DA FAMÍLIA NA NOVELA.ENTÃO OS ELOGIOS A AUTORA E A DETERMINADA PERSONAGEM QUE DEVERIA MERECER REPÚDIO,TEM LÁ SUA RAZÃO DE SER.
HAJA PACIÊNCIA!

4 comentários:

Cris disse...

Falou bonito Maria minha querida...
Eu não assisto novelas, e não tenho o menor interesse em vê-las...
E esse rapaz é digno de pena...
Beijos minha querida...(adorei o azul...rs)

Maria das Graças disse...

Ë Cris minha amiga,nós não assistimos novelas, mas vem alguém nada mais nada menos que tem o nome de Sr.Affonso Romano de Santanna,com um cúrriculo Acadêmico respeitado e diz essas bobagens, em uma crônica semanal em um jornal de grande tiragem que é formador de opnião.

Afinal sem pretenções de atingir um grande público,sinto que não posso deixar passar em branco.

Essa mania de vender nossas mulheres como bundas e quentes é de uma mediocridade e causa mal estar.

Veja você como fico brava...rsrs.
Um grande abraço.

G I L B E R T O disse...

Maria

Infelzimente, vivemos num País onde a grande mídia explora as "bundas" e as crônicas desse tipo, que buscam celeumas e polêmicas para vender jornais.

Reduzir a mulher brasileira a uma "bunda" é algo extremamente ofensivo e tolo.

Temos que lutar por educação, minha querida, em todas as suas formas: a educação do berço, legado de família; a educação acadêmica. Desta forma, poderemos ensinar nosso povo a pensar e a escolher melhor suasleituras e rever seus valores e conceitos.

Modestamente, de minha parte, prefiro as mulheres inteligentes e conteúdos. Livros com belas capas, somente, que não oferecem conteúdos convicentes, joguei-os todos de minhas prateleiras. Quero mesmo os conteúdos, profundos, sábios, integros, honestos, românticos, sensuais (sim, porque não, não é pecado! Não éróticos...), sensiveis, guerreiros, perspicazes, enfim, conteudos que com o tempo somente melhorem e nos melhorem!

As relações construídas encima de corpos, com o tempo se vão e não deixam nada para trás.

Parabéns pelo texto e pelo desabafo!

Beijos, minha sensivel Maria!

Maria das Graças disse...

Olá Gilberto você tem razão só a educação muda essa estrutura arcaica que faz com que a imagem da mulher brasileira seja cultuada e exportada como uma prostituta. Até na internet estrangeiros que conversam comigo costumam dizer bobagens a respeito da mulher brasileira,rebato todas.
Penso que todos nós temos o lado da sensualidade,a sexualidade é saudável e costumo ser clara: mulher apaixonada em qualquer lugar do mundo é "quente".
Agora ouvir disparates e até viver em viagens ao exterior situações constrangedoras como minha filha e eu já passamos. Deixa-nos revoltadas com essa exportação de nossa imagem tão deturpada.

É meu amigo temos que curtir o amor apaixonado podemos ser vaidosas intelectualmente e com nosso corpo mas que jamais devemos aceitar que
somos só bunda e peito.
Esse reducionismo da imagem da mulher brasileira como prostituta ...isso me revolta e me transformo deixo de ser a doce Maria para ser Maria azeda... com raiva ,brava...

Grata pelo seu feliz comentário. Você tem uma visão real do mundo ,ainda bem que temos homens que sabem valorizar a mulher em sua totalidade.

Um grande abraço.