quarta-feira, 29 de julho de 2009

Meus Amigos

Um dia de alegria e de nostalgia. Levanta-se cedo, ouvidos atentos para a campanhia do telefone, até que enfim vai receber as tão esperadas visitas, seus compadres e o afilhado que não vê faz tempos. Pensa o que oferecer-lhes para o almoço ou lanche. Precisa caprichar pois está muito feliz e a comadre tem mãos de ouro na cozinha. Não demora e o telefone toca, estão chegando. Pega o elevador como uma flexa com o coração batendo forte. Sempre que os encontra é assim, uma história de duas famílias que se conheceram cada uma de cidades diferentes e distantes, foram constrir a vida em uma cidade que lhes deu condições de crescer profissionalmente e construir famílias. Os abraços afetuosos, sorrisos, o afilhado uma surpresa, um lindo rapaz de vinte anos que estuda Engenharia em Campinas. Sentamos e começamos as conversas, novidades de amigos comuns. Os planos de vida, as realizações nossas e as de nossos filhos. Só que as ternas recordações chegam rasgando corações, falta uma pessoa alí na sala. Uma figura querida por demais marcante, sabia agradar os adultos e tinha lugar cativo nos corações das crianças, mais de uma vez filhos de amigos diziam para as mães que gostariam que o tio pai do Marcelo, fosse seu pai também. Não que não tivessem pais carinhosos, apenas o tio tinha um grande carisma com as crianças. E em meio as conversas em volta da mesa, as recordações são mais fortes e os detalhes de uma convivência de amizade vão desfilando como um belo filme. O dia da descoberta da gravidez,(depois de seis anos), os sonhos e a notícia que seriam padrinhos do filhote mais novo que estava para chegar. Que felicidade sentiram, o melhor testemunho de amizade que poderiam receber. Na hora das despedidas os abraços, a entrega do presente e as lágrimas vão se misturando. Existem tempos que não voltam mais, permanece o consolo de tempos bem vividos com preciosas amizades. Entram no elevador abraçados. O carro em movimento e acenos de mãos afetuosas ficam gravadas em sua mente, faz a volta devagar, entra em sua sala juntando louças e copos. Um sorriso nostalgico em seu rosto denuncia a sua saudade.

7 comentários:

Multiolhares disse...

Recordações, momentos, que escrevem o livro da nossa vida
beijinhos

Regina disse...

Maria, amiga, o que vale à pena nesta vida é o sentimento verdadeiro que nutrimos pelas pessoas, pelos amigos, pelas pessoas queridas que fizeram e fazem parte de nossa história e de nossa vida...

Recordar os bons momentos nos enche de luz e alimenta nossa alma... Muito bom ter fatos marcantes para recordar, melhor ainda recordá-los ao lado de amigos verdadeiros e queridos!!

Que gostosa história...

Grande beijo!!

Cris disse...

Estou sozinha a tanto tempo nessa cidade estranha que nem sei mais o que é isso...rs
Coisa boa é reunião de amigos, deveriam ser anualmente obrigatórias não achas? assim como visitas ao medico...rs
beijos

Lu Maia disse...

que gostoso esse sentimento da divisao entre queridos da nossa casa. abrir nosso leito para pessoas que vão , mas na verdade sempre ficam. beijos com carinho Lu

Maria das Graças disse...

Olha minhas amigas, é muito gostoso reunião de amigos verdadeiros, são certas preciosidades que a vida nos proporciona. É um privilégio!

Beijos.

Lu Maia disse...

Amiga querida...
Sobre meu último post... um dia conto lá no blog o que há por trás desta história... não são só coisas materiais , é a história de uma vida e de um abandono...

Beijo....
Luciana

Regina disse...

Querida Maria,

Tenha uma ótima semana!!

Grande beijo!!