sexta-feira, 2 de abril de 2010

A cidade

Ela olha da sua janela a cidade no seu silêncio, como se fosse uma cidade adormecida. Nos dias calmos a cidade fica melhor, mais aconchegante com seus encantos visíveis,seu trânsito mais humano. Uma cidade que já teve seus belos horizontes abertos para todos que a amam.Hoje mesmo do alto de um prédio existem dificuldades de ver o belo horizonte que generosamente lhe deu o nome. Olha para baixo e vê duas casas sendo demolidas. Os homens com suas mãos quase prazeirosamente jogam as telhas ao chão. Ela com uma certa tristeza e curiosidade vê as casas muito bem construídas e sólidas serem demolidas. Quantas histórias e segredos de vivências guardadas em suas paredes. Ela perdeu a conta das demolições que viu da sua janela nos últimos tempos, como incontáveis prédios erguidos em um piscar de olhos. A cidade verticaliza de forma absurda e descontrolada. A população que ama essa cidade tem dificuldade de ver seu belo horizonte. A serra do Curral que ainda tenta -se acreditar ser um cartão postal existe só em seu lado vísivel, o outro lado só crateras. Uma triste herança das mineradoras. Ela olha o que resta das casas demolidas e sente pesar pela cidade, pelas novas gerações, pela história da arquitetura que está sendo apagada. Um dia não encontrarão explicação para a origem do nome da cidade de Belo Horizonte. Será que repetirá a profecia de Carlos Drummond de Andrade para certas cidades mineiras ''de ser apenas um retrato na parede''.

5 comentários:

Cris França disse...

Nossa que texto lindo minha amiga!

Lembrou algo de algum poeta, que ja dizia de que vale construir edificios se não houveram almas humanas para lá habitar.

muito sensível de sua parte.

Passo então por aqui , deixo os parabéns e os votos de uma páscoa bem feliz para você.

beijos

Priscila Rôde disse...

Lindo, lindo mesmo!
O que a Cris citou foi muito certo: "de que vale construir edificios se não houveram almas humanas para lá habitar."

Boa páscoa! :)

Multiolhares disse...

Muito bonito e sentido o teu texto
assim as cidades as casas precisam de calor humano
beijinhos

Xanddhi disse...

Olaaa,
Estou passando para dizer que fico muito lisongeado por ter pessoas amáveis ainda nesse mundo cruel.Mesclando sensações de sonhos e realidades,mantermos assim vivos e agraciados por Deus!!!
Bjos no coração!!!!

Graça Pereira disse...

É uma pena ver assim o passado histórico ser demolido aos poucos...sem testemunhos para os vindouros. Como te compreendo! Também assisti assim a demolições...em nome do progresso!!
Um beijo e uma óptima semana para ti.
Graça