domingo, 22 de novembro de 2009

Mulheres

Sentimos espantos com fatos polêmicos que chegam a internet, TVs, jornais, em nosso cotidiano que viram assuntos em discussões intermináveis. Um dos atuais envolve uma estudante que precisou recorrer a seguranças para sair da universidade, coberta por um jaleco, pois era xingada,vaiada e hostilizada por seus colegas. O motivo do tumulto: a estudante estava vestida com um micro vestido,um salto 15, maquiada como se estivesse em uma balada. No meio do imblógrio a Universidade expulsa a aluna por causar tumulto e andar com roupas impróprias. Discussões acaloradas mostram as divisões dos alunos e de pessoas que tomaram conhecimento do fato. Os alunos se dividem em criticar a hipocrisia social, ou estudar em uma escola que abriga estudante com essa conduta? Protestos de todos os lados, a mídia toma conta do assunto defende a estudante, um Senador se oferece para escoltar a aluna na volta a universidade uma vez que esta revogou a decisão desastrada de expulsar a estudante. Os estudantes ou qualquer pessoa que tem opinião que a aluna não se vestia adequadamente são taxados de preconceituosos. Na verdade é difícil acreditar que as pessoas ainda se preocupam em vestir-se adequadamente de acordo com o lugar. Algumas questões ficaram de fora desse debate,como o papel e que lugar ocupa a mulher na sociedade brasileira. O que ela faz para sentir-se desejada. O que é ser uma mulher? A estudante confirma que estava vestida inapropriadamente e que gosta de chamar atenção. A reação foi inesperada neste mundo permissivo de grande erotização e exposição do corpo da mulher. O que não justifica as agressões e a expulsão. As mulheres nesse quesito de se tornarem mulher-objeto, elas mesmos metem as mãos pelos pés. No Brasil a idealização da mulher desejável : é a jovem magra, linda, glamourosa, a imagem da perfeição. A moda está cada vez para as mais magrelas e jovens . As acima de 40anos tem dificuldades para encontrar roupas adequadas. A preocupação com o corpo vai ao exagero das lipos e as cirurgias plásticas (explicação para medicina estética brasileira ser tão desenvolvida). Parece que é feio envelhecer, curtir a maturidade? Ver mulheres que se consideram apenas um corpo mertincalizado, o que esperar? Depois é chorar por não ser valorizada quando os tratamentos estéticos não causam mais a tal mágica do rejuvenecimento. E ao ser abandonadas pelos seus companheiros por mulheres muito jovens se revoltam. Na verdade elas mesmas que alimentam a ditadura do corpo jovem perfeito, e são cruéis com as mulheres que não estão nesse padrão. E os felizes homens não se preocupam com as suas barrigas, gorduras e calvices. Afinal passam longe da ditadura do corpo perfeito. Os homens são felizes com as mulheres que amam, que os desejam, os valorizam, não importa muito o tipo físico e não é que a beleza é subjetiva. Cada um tem a sua preferência. E a sexualidade é espontânea, lúdica que nasce de uma intimidade amorosa, sincera. Bobagens pensar que os parceiros se preocupam com as imperfeições dos corpos, o desejo, a sexualidade humana, transcende as futilidades pois é algo maior, temos sentimentos, temos um cérebro que comanda as nossas emoções e não é que repassamos a responsabilidade para o coração pois é ele que nos sinaliza ao bater forte em cada contato do casal apaixonado. O melhor é ser companheiros ,viver as alegrias da vida sem se escravizar por futilidades. A mulher pode ser bonita de uma forma ampla, completa tem inteligência e sentimento. O melhor é não aceitar a imposição do corpo perfeito que transforma a mulher em objeto.

4 comentários:

Fatima disse...

Ainda bem que muitas mulheres j´pa aprenderam essa verdade.
Bjs querida

Cris França disse...

nossa que texto lindo! é isso mesmo minha querida, erotizar demais a mulher é diminuir a amplitude de sua essência como ser humano. Toda mulher gosta de se sentir atraente e isso não é pecado, mas ser apenas algo que atrai e nunca algo que se possa admirar sem duvida acaba por mais nos evaziar que preencher.

Um beijo minha amiga!

Regina disse...

Bom dia, minha querida amiga!!

Sempre muito bom passar por aqui!

Qto à questão, em debate (!), tempos atrás, comentei no "Devaneios" que é necessário a mulher ter bom senso na hora de escolher uma roupa, ou seja, para cada ocasião, uma roupa adequada...

Roupas curtas, coladas ao corpo, decotadas são lindas sim, eu não condeno... mas seriam muito mais glamourosas se usadas numa balada, não é mesmo?!!

Agora, realmente, concordo que, mesmo assim, a atitude da universidade em expulsá-la foi arbitrária sim...

Enfim... durma-se com um barulho destes!

É preciso saber ser mulher...

Um grande beijo, minha doce amiga! Seu post está perfeito!

Tenha um ótimo dia!!

Maria Fe disse...

Ah, minha amiga... sabe que adoro este tema.... pois fico tão inconformada com o rumo das coisas... parece uma situação sem fim.
Outro dia mesmo meus alunos apresentaram seminário com esse tema, na universidade. Dá uma boa discussão.
Chega de escravização, de efemeridade, superficialidade!! Mas é isso que o capitalismo quer né...
Mas ainda acredito na humanidade!
beijos